Normas da EDUFRO


Grande parte do esforço de uma casa editorial é - e historicamente sempre foi - a padronização (normalização) dos textos que publica. Não se trata de interferir no conteúdo do texto, mas em sua forma. Para que o trabalho de normalização não fique completamente a cargo dos revisores, pedimos que os autores considerem as seguintes normas da editora:

 

Resumo:

A EDUFRO publica livros acadêmicos, não artigos. Um método de selecionar artigos é lendo resumos. Num livro, pressupõe-se que todos os capítulos serão lidos, portanto não deve haver resumos ou abstracts no início dos capítulos.

Em obras didáticas, em que há propositura de exercícios, é interessante que haja um resumo ao final de cada capítulo, no intuito de consolidar o conhecimento adquirido.

 

Seções:

Nos livros, uma unidade relevante é o capítulo – mais que a seção. Como um livro pode ser composto de vários capítulos, os capítulos precisam ser diferenciados. As seções compõem os capítulos de maneira orgânica, portanto não devem ser numeradas.

 

Notas:

As unidades que compõem os livros são capítulos de livro, não artigos, portanto não pode haver notas de rodapé nos nomes dos autores indicando mini-currículo ou contato na página inicial (porque a última seção é Sobre os autores).

 

Outro esforço de evitar repetições é não dispor notas de referência (porque as referências são dadas ao final de cada capítulo). Notas de rodapé devem conter informações laterais ao fluxo do texto. No limite, podem indicar sites em que haja materiais que estão abordados no texto e que não constam nas referências.

 

Em coletâneas, cada capítulo tem numeração independente de notas – iniciando, em cada novo capítulo, no 1. Já em livros autorais, a numeração das notas é contínua.

 

Citações e referências:

As referências bibliográficas devem ser compostas pela lista em ordem alfabética de todos os autores citados ao longo do texto.

As referências não são numeradas nem subdivididas.

Todas as citações literais – sejam elas destacadas entre aspas ou recuadas e grafadas em letra menor – precisam necessariamente indicar a página de onde foram retiradas.

 

Partindo do princípio da legibilidade e de que as letras minúsculas são mais frequentes – e portanto chamam menos atenção que as maiúsculas – consequentemente são não-marcadas; e considerando que a ABNT não precisa ser aplicada aos livros acadêmicos, mas aos periódicos, as referências de autores entre parênteses devem ser grafadas em minúsculas: (Autor, ano, página)

 

Para dar destaque às citações, que correspondem à voz de outros autores, aquelas menores ou iguais a 3 linhas em sua extensão são grafadas entre aspas e as maiores que 3 linhas serão grafadas em letra menor e recuadas.

 

Para dar maior fluidez à leitura dos textos, a fonte (referência) das citações maiores que 3 linhas deve ser incorporada ao texto que precede a citação (e não apresentada ao final da citação).

 

Itálicos:

Títulos de livros, obras etc. (tanto no corpo do texto como nas referências) e palavras em língua estrangeira são grafadas em itálico.

 

Negrito:

Títulos de capítulo e de seção do livro são grafadas em negrito.

 

Maiúsculas:

Conceitos ou “palavras importantes” não são grafados em maiúsculas. Para dar destaque, é preferível usar aspas ou itálico.